Fórum de Electrónica - projectos, cursos, tutoriais, compra e venda, etc. em electrónica
Este fórum migrou para aqui. Se quiser visitar o novo fórum, deverá clicar nesta frase.

Para serviços neste fórum use os botões em baixo.
Últimos assuntos
» Ajuda para mesa de mistura BEHRINGER Eurorack 2442Fx-Pro
Seg 27 Abr 2015 - 13:24 por Jose Manuel Borges

» Microchip MPLAB IDE - PIC16F84A
Sex 8 Ago 2014 - 19:29 por Electromonkeys

» Ajuda sobre curso de electronica
Seg 4 Ago 2014 - 13:57 por Nunes Pereira

» Procuro: Programdores em C, elaborar circuitos electrónicos. Trabalho remunerado
Qua 11 Jun 2014 - 14:07 por ricardo costa1986

» PORTA NOT
Dom 2 Mar 2014 - 13:40 por yoda

» Ajuda com Monitor Philips190tws
Qui 28 Nov 2013 - 1:28 por kagareu

» Estação de Retrabalho não derrete a solda
Sab 12 Out 2013 - 17:10 por itacipri

» Plataforma para cálculo de tempo de voo
Sab 27 Jul 2013 - 4:06 por diogofsousa92

» Prestação serviços projeto eletronica""
Sex 26 Jul 2013 - 15:24 por Mega_Migas

» l7812cv
Seg 15 Jul 2013 - 13:06 por boleiro

Quem está conectado
3 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 3 Visitantes

Nenhum

[ Ver toda a lista ]


O recorde de usuários online foi de 66 em Qui 6 Jan 2011 - 0:00
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada


Curso de electrónica - parte 03 Condensadores

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Curso de electrónica - parte 03 Condensadores

Mensagem  joseflor em Qua 3 Dez 2008 - 9:20

Índice do curso aqui
Votação sobre "Curso de Electrónica – por José Flor"

Introdução à electrónica básica
Parte 3
Condensadores


Complemento sobre trimmers (condensador variável ou se quiser semi-variável)

O condensador é vulgarmente conhecido de condensador. Ele compre inúmeras finalidades nos circuitos electrónicos. É utilizado no bloqueio de corrente contínua, para livre passagem de corrente alternada, como reservatório de cargas no circuito de filtro, como tanque nos circuitos osciladores, etc.

Capacitância
Suponhamos que se coloquem duas placas de metal em paralelo, sem que se toquem. Essas placas chamam-se de armaduras e o conjunto, condensador. Liguemos essas placas a uma bateria. Como sabemos que as duas placas não se tocam, não haverá passagem de corrente eléctrica, ou, melhor dizendo não deveria haver passagem de corrente eléctrica. Admitamos que após certo tempo, tempo esse que corresponde ao de carga do condensador, sejam medidas as tensões nas placas e na bateria. Verifica-se que não há diferença nas medidas; consequentemente, não está passando corrente.


Figura 1


Nota informativa:
O nosso colega Márcio, alertou para informação extra sobre a simbologia dos da tabela 1 e que passo a informar aqui.
O condensador Fixo pode também ser chamado de não polarizado.
O Electrolítico pode também se chamado de Polarizado e também existe o condensador de tântalo que também é polarizado



Mais simbologia do condensador


Agora, desliga-se a bateria e mede-se novamente a diferença de potencial entre as placas. Verifica-se que ela é igual à da bateria. Ora, o fato de existir essa diferença de potencial indica que as placas acumularam cargas eléctricas, além de que uma delas tem cargas negativas e a outra positivas. Para maior facilidade de raciocínio, admitamos que o condensador tenha acumulado duas cargas eléctricas, quando a ele aplicou-se 1 volt de diferença de potencial. Em uma segunda prática, unamos entre si os terminais do condensador . É claro que as cargas positivas e negativas se anulam e temos, então, o que se chama de descarga do condensador. Uma vez descarregado, apliquemos ao nosso condensador uma diferença de potencial de 2 volts. Esperemos o tempo necessário para que se carregue. Feito isto, determinemos, por um processo qualquer que no momento não tem importância, a nova quantidade de carga. Verificamos que ela é duas vezes maior que a anterior, ou seja, 4 cargas. Agora em experiências iguais à descrita, mas com outras diferenças de potencial, medimos sempre a quantidade de carga. Verificamos que para 3 volts, encontramos 6 cargas; para 4 volts, 8 cargas; para 5 volts, 10 cargas; e assim por diante. Observando atentamente esses números, notamos uma particularidade interessante, ou seja, a relação, isto é, a divisão entre a quantidade de cargas que o condensador acumulou e a diferença de potencial aplicada é constante e sempre a mesma, nas diversas experiências, isto é, 2, pois, 2 dividido por 1 resulta 2; 4 dividido por 2 também dá 2, e assim por diante.
Chama-se Capacidade ou Capacitância de um condensador a relação (divisão) entre a quantidade de carga acumulada e a diferença de potencial aplicada às suas armaduras.

Unidade de medida
A unidade de medida da capacitância é chamada de farad, em homenagem ao grande sábio inglês Michael Faraday, sendo representada pela letra F.
O farad é uma unidade de medida muito grande e tem pouca ou quase nenhuma aplicação prática. Por isso utilizamos seus submúltiplos.
Microfarad (μF) = 1/1.000.000 F
Nanofarad (nF) = 1/1.000.000.000 F
Picofarad (pF) = 1/1.000.000.000.000 F
Veja tabela de prefixos da lição Parte 1.

De que depende a capacidade de um condensador ?
A capacitância não depende de diferença de potencial aplicada às armaduras. Isto porque quando se aumenta ou diminui a tensão aplicada às armaduras, também aumenta ou diminui a carga. Tome atenção e não aplique 50 volts a um condensador de 10 volts, isto danifica o condensador .
As dimensões ou áreas das armaduras:
Construamos um condensador com duas placas de 10x10 cm ou seja 100 cm2 e afastadas de 1 cm. Agora construamos outra de 20x20 cm ou seja 400 cm 2, igualmente com 1 cm de afastamento. Ligamos os dois condensador a uma diferença de potencial. Observamos que o condensador maior que é 2 vezes maior em seus lados que o primeiro e a sua área é 4 vezes maior, tem capacidade 4 vezes maior que o primeiro.


Figura 2


Dieléctrico:
Chama-se dieléctrico de um condensador a substância isolante que está colocada entre suas armaduras. A capacidade do condensador também depende dessa substancia. Nas experiências anteriores, usamos o ar como dieléctrico. Na realidade existem condensadores cujo ar é o seu dieléctrico. Quando se desejam grandes capacidades são utilizados outros materiais como a mica, plástico, poliéster, cerâmica, vidro, óleo, etc. Para observar como varia a capacitância com o tipo de dieléctrico, recorramos às experiências:
Admitamos que, sendo o ar o dieléctrico, no condensador da experiência anterior, encontramos uma capacitância de 8,86 pF. Agora, vamos preencher o espaço entre as duas armaduras, com mica. Sua capacitância é agora de 53,16 pF. Isto significa que a mica faz aumentar a capacitância em 6 vezes. Se usarmos o teflon que é um plástico como dieléctrico o aumento teria sido de 2 vezes. Daqui concluímos que a capacitância depende do tipo de dieléctrico utilizado.
Se aumentarmos para o dobro a espessura do dieléctrico, a capacitância cai para metade, se diminuirmos a espessura para metade do dieléctrico, a capacitância aumenta o dobro. Daqui concluímos que a capacitância varia inversamente com a espessura do dieléctrico.

Como explicar o efeito capacitivo do condensador?
Considere a figura 3 onde se vê um condensador formado por duas placas planas e paralelas. A placa A está ligada ao positivo de uma fonte de corrente contínua e a placa B está ligada ao negativo através de um miliamperimetro. Com a chave desligada como mostra na figura, a corrente que passa é zero. Quando se liga a chave, à primeira vista também não deveria passar corrente, porque as duas placas não se tocam. Contudo, o operador irá observar que o ponteiro do medidor dará um salto brusco no momento em que se liga a chave, e em seguida, cai lentamente, até à posição de repouso, indicando que não há mais passagem de corrente. É neste instante que o capacitor fica carregado. Inicialmente, as placas A e B estão no estado neutro, ou seja, em cada uma existe igual quantidade de cargas eléctricas negativas e positivas (electrões e protões). Quando se fecha a chave, liga-se a placa A ao pólo positivo da bateria, em que, como sabemos, há falta de electrões . Este pólo então retira os electrões da placa A, a qual fica positiva. O pólo negativo da bateria tem excesso de electrões e como os electrões procuram ocupar sempre a maior área possível, eles encaminham-se para a placa B, passando pelo medidor de corrente, que os acusa. De fato, quando as duas placas estão face a face e ligadas à bateria, aparece o efeito de indução, isto é, a placa A, positiva atrai os electrões da B, negativa, e a B, negativa, atrai os protões da A. Esta acção facilita a retirada de electrões pelo pólo positivo da bateria e o fornecimento pelo pólo negativo à placa B.


Figura 3


Classificação dos condensadores quanto à variação da capacitância:
fixo, variável, semi-variável

Classificação dos condensadores quanto à forma física:
tubular, disco, plano, moldado, passagem, pin-up, etc
Classificação dos condensadores quanto ao material dieléctrico:
óleo, cerâmica, electrolítico, papel, etc

Associação em série
A capacitância resultante será dada pelo produto das capacidades, dividido pela sua soma.
Cr = C1 x C2 / (C1 + C2) <=> Cr = 6 x 3 / (6 + 3) <=> Cr = 2 μF


Figura 4


Pela formula podemos concluir que a o resultado da associação em série é menor que o mais pequeno condensador . Mais, quando se aplica uma diferença de potencial nos terminais da associação, que correspondem aos terminais livres do primeiro e último condensador , essa diferença de potencial reparte-se entre os condensador , de maneira que o que possuir menor capacitância receberá maior parcela de tensão. Esta particularidade deve ser observada sempre que se faz uma associação em série, porque, se não for levada em conta, poderá danificar o condensador de valor mais baixo. Vamos insistir nisso, dando o exemplo da figura e admitindo que a tensão é de 100 volts. Olhando na figura parece que pode funcionar a 125 volts ou seja a soma das duas voltagens. Errado. A capacidade resultante como vimos é 2 μF. Essa capacitância equivalente está ligada a uma diferença de tensão de 100 V; logo, podemos determinar a quantidade de carga. De fato, se para definir a capacitância dividimos a quantidade de carga pela diferença de potencial aplicado é fácil concluir que, para calcular a quantidade de cargas, basta multiplicar a capacitância pala diferença de potencial: logo, a quantidade de carga em cada condensador é de: 2 μF x 100 V = 200 μC (microcoulomb). (veja página 8 da Parte 1). A quantidade de carga em cada condensador é, portanto, de 200 μC. Podemos, então, determinar qual deve ser a tensão em cada um, para que eles adquiram essa carga. Para calcular a tensão, basta dividir a quantidade de carga pela capacitância. Assim, para os dois condensadores : C1 – V = 200 μC / 6 μF = 33,33 V e C2 – V = 200 μC / 3 μF = 66,66 V. Como podemos ver o condensador de menor capacidade terá que ser superior a 66,66 V, logo, não podemos usar o de 50 V pois este queimará. Note: normalmente não há necessidade de fazer este tipo de associação em série. Isto só acontece quando pretendemos um valor de condensador não fabricado.

Associação em paralelo
A capacitância resultante é igual à soma de todas as capacitâncias, portanto, maior do que qualquer capacitância da associação. Cr = C1 C2 C3 = 18 μF. Se a tensão aplicada entre os terminais a e b for de 115 V, todos os capacitores estarão submetidos a essa mesma tensão.


Figura 5


De notar que para calcular os condensadores, usa as mesmas formulas do calculo das resistências, só que as ordens de paralelo e série são invertidas.


Para obter a imagem em tamanho natural clique aqui.
Figura 6


Os condensadores pin-up e os poliéster metalizado são identificados por barra de cores iguais às resistências. Use a tabela de cores dada no manual Parte 1.


José António Flor de Sousa


Última edição por joseflor em Seg 14 Set 2009 - 14:08, editado 3 vez(es)

_________________
Happy soldering!
José Flor - OzFlor
Venda de componentes de electrónica
Loja EBR (Eletrônica BRasil)
Fórum oficial de electrónica de José Flor - OzFlor
avatar
joseflor
Nível 3
Nível 3

Mensagens : 273
Pontos : 3416
Reputação : 7
Data de inscrição : 08/11/2008
Idade : 53
Localização : Mangerton, NSW, Austrália

Ver perfil do usuário http://www.ozflor.com/eletrokit/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Código dos condensadores e tabela de conversão

Mensagem  joseflor em Seg 8 Dez 2008 - 9:41


Código dos condensadores e tabela de conversão


Tabela dos condensadores



Programa para calcular os valores dos códigos dos condensadores



José António Flor de Sousa

_________________
Happy soldering!
José Flor - OzFlor
Venda de componentes de electrónica
Loja EBR (Eletrônica BRasil)
Fórum oficial de electrónica de José Flor - OzFlor
avatar
joseflor
Nível 3
Nível 3

Mensagens : 273
Pontos : 3416
Reputação : 7
Data de inscrição : 08/11/2008
Idade : 53
Localização : Mangerton, NSW, Austrália

Ver perfil do usuário http://www.ozflor.com/eletrokit/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum